Cirurgião cardiotorácico José Fragata disse que "as sequelas pulmonares da covid-19 são pouco conhecidas, mas vão aparecendo".

O cirurgião cardiotorácico José Fragata alertou hoje para as sequelas da covid-19 que já se começam a sentir nos pulmões de alguns doentes que ficaram semelhantes aos portadores de fibrose quística e a exigir um transplante pulmonar.
José Fragata, vice-reitor da NOVA Universidade Lisboa e diretor do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, participava na conferência online "O impacto da Covid-19 nas Doenças Respiratórias Crónicas nos países da CPLP", organizada pelo Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT).

O cirurgião alertou para as consequências da covid-19 que só se conhecerão "no dia seguinte" da pandemia e que passarão por todos os que ficaram por tratar e os que ganharam sequelas respiratórias, articulares e outras, ainda não conhecidas.

"Esta é a verdadeira ponta do iceberg da pandemia que ainda não conhecemos", afirmou.

De acordo com o especialista, "as sequelas pulmonares da covid-19 são pouco conhecidas, mas vão aparecendo". E contou que ainda recentemente um homem com 60 anos, saudável até ficar doente com a covid-19, que esteve vários meses ventilado, teve de se submeter a um transplante dos dois pulmões, que ficaram "indistinguíveis da fibrose pulmonar", apesar de serem saudáveis até à pandemia.

José Fragata referiu que outros dois doentes estão em lista de espera para o transplante pulmonar, pelos mesmos motivos.

A conferência sobre "O impacto da Covid-19 nas Doenças Respiratórias Crónicas nos países da CPLP" é organizada pelo IHMT em colaboração com a Global Alliance against Chronic Respiratory Diseases (GARD), a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a GARD-Portugal, com o apoio da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH).

PUB

CONTINUAR A LER

Na sessão de abertura, o secretário-executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Teles, referiu que "a pandemia parece ainda longe de estar debelada e deixará feridas mais profundas nas geografias com maior vulnerabilidade social e económica".

"O acesso à vacina continuará a condicionar as nossas expetativas em relação à covid-19", disse, reiterando que a CPLP defende que as vacinas devem ser consideradas um bem público global" e que "o processo de vacinação deve ser global, não deixando ninguém para trás".

Franco Mufinda, secretário de Estado da Saúde de Angola, também participou no evento online, recordando que a vacinação nesse país africano arrancou em 02 de março e que, desde então, foram vacinadas com uma dose 1.432.690 pessoas e 523.000 com duas doses.

Em Angola, a covid-19 tem uma letalidade de 2,4% e uma recuperação de 84%.

Com o epicentro da pandemia em Luanda, a covid-19 registou a primeira vaga em outubro de 2020 e a segunda em março deste ano, estando agora "a declinar", segundo Franco Mufinda.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.868.393 mortos no mundo, resultantes de mais de 178,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Startups

Economia

Notícias Regionais

Outras Notícias

Saúde

Sociedade

Mundo

Tecnologia

Cultura

Desporto

Podcast