Alguns sectores da sociedade civil moçambicana manifestam-se preocupados com o adiamento da chegada da força militar da SADC, que devia ter começado a chegar a Moçambique no passado dia 15, o que pode ser uma indicação de que esta organização regional não estava preparada para a intervenção em Cabo Delgado.

A SADC ainda não se pronunciou sobre este adiamento, que para o director do Centro para a Democracia e Desenvolvimento, Adriano Nuvunga, é motivo de preocupação.

"Foi a própria SADC que definiu a data, e quando começa a adiar, nós ficamos preocupados, uma vez que essa força é para atender a uma situação de emergência," disse Nuvunga.

Ele avançou que "o extremismo violento em Cabo Delgado não espera, e a SADC se manifestou disponível para ajudar a resolver o assunto e, inclusivamente, já enviou uma carta às Nações Unidas informando sobre o assunto, pelo que este adiamento é preocupante".

PUB

CONTINUAR A LER

Este adiamento é também preocupante para Dércio Alfazema, coordenador de projectos no Instituto para a Democracia Multipartidária, "porque a situação em Cabo Delgado está a agravar-se a cada dia que passa".

Prontidão

Entretanto, os analistas dizem que o adiamento da força da SADC nada tem a ver com as divergências entre Moçambique e a África do Sul, por causa da intervenção da força ruandesa em Cabo Delgado.

"Tem a ver com a prontidão da própria SADC, porque uma coisa é prometer que vai mandar tropas, e a outra é ter tropas prontas em termos de equipamento", realçou o director do CDD.

Por seu turno, o analista Tomás Rondinho, entende que o bloco se possa sentir desconfortável com a intervenção do Ruanda no norte de Moçambique, mas o motivo do adiamento se deve à questões logísticas da própria SADC.

Esta situação é agravada pelo facto de a SADC, em tanto que organização regional, não ter tropas para intervirem em situações de emergência.

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Startups

Economia

Notícias Regionais

Outras Notícias

Saúde

Sociedade

Mundo

Tecnologia

Cultura

Desporto

Podcast