Onovo livro 'O Caçador de Elefantes Invisíveis' de Mia Couto apresenta uma série de contos, que inicialmente eram apenas crónicas, todas escritas no último ano e posteriormente adaptadas.

O escritor recorda, em entrevista à Rádio Renascença, o que sentiu em janeiro, quando esteve infetado pelo vírus, o que expressou através de Bernardo, uma personagem de um dos contos do livro.

Admite que sentiu “solidão” e que parecia que a sua casa tinha comprimido, o que condicionou a sua criatividade e escrita.

Nesta entrevista, Mia Couto confessou que “temeu pela vida”, sentimento que surgiu após perder “amigos e colegas” devido à Covid-19. E, embora se considere “otimista”, receou “que acontecesse o pior”. “A ideia de que eu pudesse morrer estava bem presente”, afirmou.

Na sua mais recente obra, o autor retrata a pandemia vista pelo continente africano, como a população lidou com o vírus e se imunizou. Na sua opinião, ocorreu de forma “muito mais ligeira” do que na Europa.

Acredita que o convívio e a exposição a bactérias fez com que as pessoas se fossem imunizando e “vacinando naturalmente”. No seu livro, aparecem também episódios que narram os acontecimentos em Cabo Delgado.

PUB

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Startups

Economia

Notícias Regionais

Outras Notícias

Saúde

Sociedade

Mundo

Tecnologia

Cultura

Desporto