A Volvo introduziu a Amazônia em 1957. O homem por trás das linhas da carroceria era o designer-chefe interno da Volvo, Jan Wilsgaard. Alegadamente, ele foi inspirado por um sedã americano Kaiser do início dos anos 50, que viu ser descarregado de um navio nas docas de Gotemburgo. Cinco anos depois, em 1962, surgiram duas novas versões, o sedã de duas portas e a perua. Era uma propriedade bastante bonita, versátil e muito espaçosa.

A robusta Amazônia foi construída com alta qualidade na Suécia e o carro parece capaz de durar para sempre. O portão traseiro foi separado em duas metades. Um detalhe prático que permite que a metade inferior seja aberta independentemente, prolongando assim o espaço de carga traseiro para que objetos longos possam ser transportados com a metade superior ainda fechada.

Esta muito agradável carrinha ou Kombi acaba de ser restaurada. Todas as partes enferrujadas do corpo foram alteradas e o corpo recebeu a cor original da Amazônia verde escura. O interior foi completamente renovado por um estofador profissional de acordo com padrões e cores originais, mas em vez de plástico, preferimos fabricá-lo em couro. Todos os tapetes também são novos.

O motor e a caixa de câmbio estavam em excelentes condições e, com exceção de um serviço completo e de limpeza, voltaram intocados no carro. O motor B18 foi alterado para o motor B20 mais potente e a caixa de marchas ultrapassa. Muitas peças em suspensão foram renovadas e os freios também são novos.

Tudo isso é uma Amazônia muito atraente na versão muito procurada e com algumas atualizações agradáveis ​​como interior em couro e o motor B20.

Pin It

Angra do Heroísmo

Notícias Regionais

Ilha Terceira

Economia

Startups

Outras Notícias

Mundo

Cultura

Saúde

Sociedade

Motores

Motores

Tecnologia