Tradicionalmente dominado por empreendedores masculinos, o setor financeiro começa a ser pontuado por projetos de fintechs lideradas por mulheres. Veja alguns exemplos europeus que prometem agitar o mercado.

As empreendedoras europeias começam a dar cartas no setor das start-ups da área financeira, as chamadas fintech, com produtos e serviços que se destacam no panorama global. Num cenário europeu em que o número de fintechs ronda as 149, apenas 12 tem um CEO do sexo feminino, segundo o portal EU-Startups. Este mesmo portal compilou um grupo de 10 projetos fundados por empreendedoras que, diz, abrem o caminho para uma nova geração de mulheres que se debatem pelas mesmas oportunidades de financiamento que os empreendedores do sexo masculino.

Starling Bank – É um banco digital do Reino Unido, fundado em 2014 por Anne Boden, com a aspiração de reinventar os serviços financeiros e que atualmente já tem mais de 2,5 milhões de contas abertas. A Starling assumiu ser transparente sobre os números das disparidades salariais entre homens e mulheres e reconhece que é necessário fazer mais progressos internamente. 43% dos seus cargos de liderança sénior são ocupados por mulheres.

Lovys – Esta plataforma francesa oferece um seguro digital flexível. Estão a reinventar a experiência do utilizador na subscrição de seguros. Os clientes podem gerir o seguro da casa, do carro e do animal de estimação, por exemplo, numa única plataforma. A Lovys foi criada em 2017 por Elise Moutarlier e João Cardoso, tem 95 colaboradores e arrecadou 29 milhões de euros de investimento.

Azimo – Criada há nove anos, a Azimo tem como proposta uma forma mais rápida, mais barata e mais fácil de enviar dinheiro para os países de origem dos utilizadores. Tinham como objetivo acabar com os serviços de rua de envio de remessas, mais caros e ineficientes. Da equipa fundadora fez parte Marta Krupinska, uma empreendedora em série, atualmente chefe da Google para Startups no Reino Unido. Começou por estar sediada em Londres, mas depois do Brexit instalou-se em Amesterdão. Agora, oferece suporte em mais de 80 países e tem mais de 2 milhões de clientes.

PUB

CONTINUAR A LER

Mambu – Esta plataforma bancária SaaS de Berlim fornece serviços de empréstimo e depósito através de APIs. Trabalha com novas fintechs, para lançar novos serviços, e instituições financeiras estabelecidas para ajudar a desenvolver tecnologia existente. Este projeto surgiu em 2011 pela mão de Eugene Danilkis, Frederk Pfisterer e Sofia Nunes. Atualmente, a Mambu tem uma equipa de 800 funcionários em todo o mundo.

Billie – Também da Alemanha, a Billie foi fundada em 2016, em Berlim, por Aiga Senftleben, Artem Demchenkov, Christian Grobe, Matthias Knecht. Reinventaram a gestão do capital para as PMEs, oferecendo produtos de crédito inovadores, incluindo soluções de financiamento de faturas totalmente automatizadas e ajudando as PMEs a garantir melhores condições de pagamento. Em outubro deste ano arrecadaram um total de 129,7 milhões de euros.

Molo – É uma plataforma digital de empréstimos hipotecários que recorre a tecnologias como IA para tornar as hipotecas mais eficientes para os clientes. Foi criada por Francesca Carlesi e Leo Grünstein, em 2016, e tem sede em Londres. Até o momento arrecadaram um total de 320,6 milhões de euros.

PensionBee – Combina as pensões dos seus clientes com um novo plano online e uma plataforma para os consumidores rastrearem e gerirem as suas pensões. Sediada em Londres, foi fundada em 2014 por Romi Savova. Em 2021 fez um IPO na LSE por uma avaliação de 432,9 milhões de euros.

Pollinate – esta start-up ajuda os bancos a compreenderem e a aproximarem-se melhor dos seus clientes e a construir relacionamentos mais fortes com comerciantes e consumidores. Foi fundada há dois anos por uma equipa de especialistas provenientes do setor financeiro. A Pollinate está sediada em Londres com mais de 130 funcionários e arrecadou um total de 258 milhões de euros.

Fluidly – Este projeto nasceu em 2017 com Caroline Plumb e está a repensar a maneira como as empresas planeiam e gerem o fluxo de caixa. As suas ferramentas automatizadas permitem fazer a previsão e gestão do fluxo de caixa intuitivos com base em data science, machine learning. A Fluidly tem sede em Londres e mais de 50 funcionários.

GoHenry – Esta é uma plataforma bancária feita a pensar no público mais jovem. Oferece uma aplicação web e mobile com um cartão de débito ara dar aos jovens alguma independência financeira, mas com supervisão parental. Até ao momento, têm mais de 1,5 milhões de membros, 188 funcionários e arrecadaram um total de 78,5 milhões euros de investimento.

Pin It