O líder dos empresários de São Jorge, Mário Veiros, alertou hoje que há empresas na ilha que podem fechar se não forem adotadas “medidas urgentes” para mitigar os impactos económicos da crise sísmica.

“No caso do turismo, há uma série de serviços turísticos que são unipessoais, no máximo com duas pessoas, que prestam serviços de turismo de aventura, entre outros, e que se perderão, porque não faturam devido a terem tido o último cliente em outubro”, refere o presidente do Núcleo de Empresários de São Jorge, em declarações à Agência Lusa.

Mário Veiros aponta que “neste momento, o setor mais afetado, em que se sentiu mais rapidamente o impacto desta crise, foi o setor turístico”, havendo “cancelamentos que vão até junho e outros até agosto”.

O empresário fala num efeito contágio do turismo a todos os outros setores, como a hotelaria e restauração, bem como ao comércio.

Defende, por isso, a necessidade de adoção de medidas imediatas para “salvaguardar as empresas que existem” e que, para além da crise sísmica, estão a ser afetados pela pandemia de covid-19 e pela situação resultante da intervenção militar na Ucrânia.

Mário Veiros defende a capitalização das empresas, que “tem que ser total ou parcialmente a fundo perdido, para garantir a tesouraria”, a par de medidas similares às adotadas para fazer face à pandemia da covid-19, visando a manutenção de emprego.

É “desejável que se acelere os pagamentos dos apoios no âmbito da pandemia da covid-19”, a par da adoção do ‘lay-off’ para algumas empresas, segundo Mário Veiros, que já pediu uma audiência ao presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro.

Para além do turismo, a economia da ilha de São Jorge carateriza-se por uma indústria de lacticínios que produz o premiado queijo de São Jorge, bem como por uma unidade de transformação de atum em conservas, que são alvo de exportação.

São Jorge integra o denominado Triângulo, que contempla também as ilhas vizinhas do Pico e Faial, um conjunto muito procurado em termos turísticos para além do mercado da ilha de São Miguel.

Para além do Núcleo de Empresários de São Jorge, a Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo (CCAH) já reivindicou medidas de apoio a empresários e famílias da ilha de São Jorge.

“É essencial que se comecem a pensar em medidas que apoiem e fomentem o regresso das pessoas à sua ilha e às suas casas, tendo por base uma comunicação muito assertiva e que transmita confiança aos que partiram”, afirmou a presidente do núcleo de São Jorge da CCAH, Rita Madruga, por videoconferência, numa conferência de imprensa, que ocorreu em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

Os empresários de São Jorge reivindicam a criação de apoios “a fundo perdido”, “de imediato” e com “efeitos a 19 de março”, alertando para a possibilidade de se verificar uma “profunda recessão da economia da ilha”.

A ilha de São Jorge, nos Açores, contabilizou mais de 26.600 sismos, 226 dos quais sentidos pela população, desde o início da crise sismovulcânica a 19 de março, segundo os dados oficiais mais recentes.

O sismo de maior magnitude desde o início da crise registou 3,8 na escala de Richter.

Cerca de 2.500 pessoas já saíram do concelho das Velas, centro da crise sísmica, das quais 1.500 para outras ilhas dos Açores, e as restantes para o concelho vizinho da Calheta, considerado mais seguro pelos especialistas.

A ilha mantém-se com o nível de alerta vulcânico V4(ameaça de erupção) de um total de sete, em que V0 significa “estado de repouso” e V6 “erupção em curso”.

PUB

Pin It

SOTERMAQUINAS