É uma espécie de bolsa de valores para artigos de luxo, especialmente ténis. Chegou recentemente a mil milhões de dólares e quer entrar em bolsa, mas os insucessos da Uber ou WeWork dão-lhe cautela.

Funciona como uma bolsa de valores, mas o que se transiciona são ténis ou carteiras de luxo. A StockX assume-se como uma versão melhorada do eBay, há um único preço para um produto (mesmo que esteja a ser revendido por centenas de vendedores diferentes) e a autenticação é a chave do negócio.

A empresa é, desde o verão, um unicórnio e a entrada em bolsa está nos planos. Mas para já, preferem investir no crescimento e expansão, deixando o IPO para mais tarde até porque as quedas da Uber, Lyft ou WeWork estão a mostrar o que não fazer, como explicou em entrevista ao ECO, Josh Luber, fundador da StockX, a partir do Web Summit.

Como está a correr o negócio? Em quantos mercados já estão atualmente?
Muda tão rápido… A empresa tem três anos e meio, começou em fevereiro de 2016. Temos mais de mil funcionários. Temos três escritórios, em Detroit, onde fica nossa sede, Londres como sede europeia e Tóquio como sede japonesa. Existem seis centros para autenticar fisicamente todos os produtos, em Detroit, Tempe (no Arizona), Atlanta, Londres, Tóquio e Holanda.

Temos mais de 20 milhões de utilizadores mensalmente e, na última vez em que reportámos números de vendas, estávamos a ganhar mais de três milhões de dólares por dia em vendas no mercado. E a última ronda foi no verão passado, quando levantamos 110 milhões de dólares com uma avaliação de mil milhões de dólares.

Temos mais de 20 milhões de utilizadores mensalmente e, na última vez em que reportamos números de vendas, estávamos a ganhar mais de três milhões de dólares por dia em vendas no mercado. E a última ronda foi no verão passado, quando levantamos 110 milhões de dólares com uma avaliação de mil milhões de dólares.

Estão em três continentes. Quais são as principais diferenças entre os mercados?

Para os produtos que vendemos, é o mesmo. Nike, Adidas, Yeezy, Supreme, Rolex, Louis Vuitton… É tudo o mesmo. Vemos, por exemplo, muitas tendências diferentes. Na Europa são mais artigos de corrida. Na Ásia, é mais basquete. Mas no topo, é basicamente o mesmo em termos de mix e de produtos vendidos. Temos a sorte de vender os produtos mais procurados e funciona muito bem se se vender algo que todo mundo deseja.

Qual é a diferença entre vender e comprar no StockX em comparação com qualquer outro site de segunda mão?
Primeiro de tudo, somos um mercado. Não somos uma marca ou retalhista, por isso não vendemos nada. Tudo o que fazemos é conectar compradores e vendedores. Portanto, somos uma evolução do eBay. Nós somos apenas o intermediário, que fica no meio. A forma como ligamos compradores e vendedores é da mesma forma que o mercado acionista funciona e é isso que é único. Realmente construímos um verdadeiro mercado de ações para bens de consumo. Quando dizemos que é uma bolsa de valores, trata-se de como ligamos compradores e vendedores. Há muitas nuances e muitos dados, mas a parte principal e mais importante — o que nos diferencia de comprar em qualquer outro lugar — é que no StockX existe um preço de mercado real para cada produto que se vende.

Como é que funciona esse preço de mercado real?
Se se estiver à procura de um par de sapatos no eBay, encontram-se mil listas diferentes e a pessoa decide se quer comprar a uma ou outra pessoa. Isso não faz sentido. Se se comprar uma ação da Nike na Bolsa de Valores de Nova Iorque, há um ticker para a Nike e para cada oferta existe apenas um preço de mercado. Nunca se pode comprar uma ação da Nike, voltar para casa e um amigo dizer que comprou mais barato no eBay. Isso não existe. Criámos um mercado orientado para a oferta e a procura, onde existe apenas um preço — o preço mais baixo — e sabe-se que o que se está a pagar é o preço justo pelo produto. A partir dessa ideia, é possível fazer com que os preços se movimentem em tempo real com o mercado. É isso: preço variável a partir de um verdadeiro valor de mercado, enquanto em todas as outras formas de e-commerce, há um preço de retalho definido por uma marca ou retalhista ou então é arbitrário.

E garantem que não há risco de comprar uma falsificação?
Nós autenticamos todos os produtos e para muitas pessoas, principalmente o miúdo de 14 anos que poupou para comprar um par de Yeezy, ele sabe que não vai acabar com um par de Yeezy falso. Ele não se importava como funciona o mercado de ações, mas quer sapatos verdadeiros. E há muito valor nisso. Para nós, a autenticação é apenas parte do processo. É apenas uma parte da padronização, que é o objetivo de todo o modelo. A autenticação ajuda a suportar o modelo maior e todo o valor que sai dele. Existe valor na autenticação em si mesma, mas o valor real está em como facilita o modelo de mercado, porque se comprar uma participação no capital da Nike, nunca se preocuparia se comprou uma falsificação. Isso simplesmente não existe. Por esse motivo, sentimo-nos confortáveis em saber que o preço que se está a pagar é o preço justo. Se houver hipótese de ser falso, muda o quanto se está disposto a pagar.

Não envolve muitos custos? Enviar e armazenar todos os produtos?
Sim. Entre os nossos funcionários, mais de 1.000 pessoas, cerca da metade trabalham em autenticação, expedição, descarregamento de camiões, abertura ou fecho de embalagens… Portanto, há muitas pessoas envolvidas nisso. Mas em termos de escala, não é caro. Torna-se muito eficaz em escala, porque podemos processar muitos sapatos. Atualmente, processamos 20 mil sapatos por dia. Portanto, os custos podem cair para níveis bastante baixos. Existe gestão e custos envolvidos, mas sem isso o modelo todo cairia. Vale a pena.

Pin It