O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, também já foi vacinado, e até antes da hora marcada. Chegou mais cedo ao Hospital de S. João e foi atendido de imediato, naquele que disse ser “um dia importante para o país “.

“Temos aqui uma grande oportunidade de podermos vencer o combate contra este vírus”, disse ao Público, após a vacinação. E isto apesar de o número de vacinado nesta primeira fase ser ainda “relativamente pequeno”, disse. “Mas transmite-nos uma sensação de esperança”, disse ainda.

Mais do que tudo, defendeu, a vacinação é um acto de cidadania. “Podemos exercer este acto de cidadania, ajudando os outros, os doentes, as pessoas mais frágeis.”

Agradecendo à comunidade científica, que trabalhou para termos vacinas eficazes em tempo recorde, e à União Europeia (e à sua presidente, em particular) pelo “trabalho notável e visão” que permitiu que os países da comunidade tenham já acesso às vacinas, Miguel Guimarães lembrou que ainda serão necessários meses para atingirmos a imunidade de grupo, pelo que todas as medidas aplicadas até aqui - uso de máscaras, distanciamento social e higienização - devem continuar em vigor.

Pin It

Angra do Heroísmo