O Diretor Regional das Comunidades destacou, em Angra do Heroísmo, que o “resgaste e a preservação da identidade açoriana” no sul do Brasil tem aproximado a diáspora à Região, em diversas áreas.

“Após mais de 270 anos de chegada do Povo Açoriano a Santa Catarina, presenciamos uma contínua ligação afetiva às nossas ilhas, um dinâmico e diversificado associativismo e uma preocupada ação na transmissão, às gerações futuras, da nossa presença e legado nesse Estado”, afirmou Paulo Teves, que falava num encontro com a Direção da Associação Cultural Açoriana de Içara.

“A real dimensão da nossa Região compreende, indiscutivelmente, a nossa diáspora, que, apesar do distanciamento geográfico, se tem afirmado, cada vez mais, como fator de congregação em inúmeras sociedades do mundo e que importa dinamizar e estimular, honrando um legado que muito nos orgulha”, frisou, considerando fundamental o “reconhecimento, por parte dos órgãos de poder local, da história que nos une e nos identifica”.

As relações entre Santa Catarina e a Região Autónoma dos Açores “têm-se intensificado nos últimos anos, em vários campos de atuação”, salientou Paulo Teves, relembrando que muitos municípios e o próprio Estado declararam 2018 como sendo o 'Ano dos Açores'.

No encontro foi abordada a possibilidade de cooperação com o município de Içara, no resgate do património material e imaterial açoriano que ainda existe, com destaque para a área da educação, atendendo à importância de dar a conhecer a história do Povo Açoriano em Santa Catarina junto dos mais novos.

“Em 2018, foram realizadas dezenas de atividades no âmbito dos 270 anos de presença açoriana em Santa Catarina, promovidas por associações, estabelecimentos de ensino e governos locais e estadual, que contribuíram para uma maior visibilidade dos Açores no mundo”, recordou o Diretor Regional, sublinhando que, “hoje, notamos que este trabalho continua e tem-se incrementado em mais municípios e noutras organizações”.

Passados 271 anos do desembarque, em 1748, em Santa Catarina, dos primeiros Açorianos que emigraram para esta região do Sul do Brasil, são ainda visíveis as marcas da presença açoriana no património material e imaterial e é percetível a dinâmica de variadas coletividades neste Estado, que desenvolvem múltiplas iniciativas em prol da Açorianidade.

Situada a 180 quilómetros de Florianópolis, em região de acentuada exploração do carvão mineral, a cidade de Içara é, atualmente, a maior produtora de mel de Santa Catarina, para além de ter o comércio, a indústria, o turismo, a produção agrícola e a plantação de tabaco como fortes atividades económicas.

Em 2016, o Município de Içara, criado em 1961, assinou um protocolo de geminação com as Lajes das Flores.

Pin It