O Reino Unido registou nas últimas 24 horas mais 621 mortes de pessoas infetadas, elevando o número total de óbitos durante a pandemia covid-19 para 4.934, indicou hoje o Ministério da Saúde britânico.

De acordo com a atualização dos dados feita hoje, o número de pessoas infetadas aumentou 5.903 desde sábado, para 47.806, após diagnosticados mais casos positivos.

No sábado, o balanço diário tinha registado mais 708 mortes e mais 3.735 novas infeções relativamente ao dia anterior.

Os números das mortes referem-se a pacientes diagnosticados com covid-19 que morreram no hospital até às 17:00 horas da véspera e são compilados a partir de dados das direções regionais de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

O número de pessoas infetadas é contabilizado de forma diferente e inclui os diagnósticos feitos até às 09:00 horas de hoje.

Estas estatísticas não incluem mortes fora do hospital, como aquelas registadas em lares de idosos, e algumas podem não ser incluídas no balanço diário, porque o registo dos óbitos pode demorar mais tempo, refere o ministério da Saúde.

Passadas duas semanas desde que o governo decretou um confinamento das pessoas, ordenando o encerramento de bares, restaurantes, teatros e outro tipo de estabelecimentos, o ministro da Saúde, Matt Hancock, admitiu hoje endurecer as medidas se as pessoas "desrespeitarem as regras”.

Atualmente, é permitida a saída de casa para comprar bens essenciais, para exercitar uma vez por dia, para ajudar pessoas vulneráveis e para trabalhar, se não for possível fazê-lo de casa, tendo a polícia poderes para dispersar ajuntamentos de mais de duas pessoas.

Mas, perante relatos de que um parque no sul de Londres foi hoje obrigado a fechar devido ao elevado número de pessoas que aproveitaram o bom tempo no sábado para passear, Hancock ameaçou com um maior controlo às saídas ao exterior.

“Se não quiserem que tomemos o passo de proibir o exercício de qualquer forma fora de casa, é necessário cumprirem as regras”, afirmou à BBC, tendo acrescentado na Sky News que ficar deitado na relva a apanhar banhos de sol vai contra as regras do governo de evitar saídas desnecessárias.

O recém-eleito líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, mostrou-se disponível para apoiar o governo neste endurecimento do confinamento.

“Cada vez que as pessoas desrespeitam as orientações do governo, estão a colocar outras pessoas em risco”, justificou, em declarações à BBC.

Hoje à noite, a rainha Isabel II vai intervir novamente desde o início da pandemia, numa comunicação invulgar na televisão, depois de ter publicado uma mensagem escrita em meados de março.

A monarca de 93 anos vai agradecer o esforço de todos os que estão na primeira linha do combate à pandemia, sobretudo o pessoal médico.

"Vivemos momentos de perturbação na vida de nosso país, uma perturbação que trouxe sofrimento para alguns, dificuldades financeiras para muitos e enormes mudanças no dia a dia de todos nós", vai dizer a monarca, numa intervenção marcada para as 20:00 locais (mesma hora em Lisboa), cujos excertos foram publicados antecipadamente pelo Palácio de Buckingham.

Pin It

Angra do Heroísmo

Notícias Regionais

Ilha Terceira

Economia

Startups

Outras Notícias

Mundo

Cultura

Saúde

Sociedade

Motores

Tecnologia

Música

Desporto

Podcast