As empresas que mais recorram a trabalho temporário e contratos a prazo serão penalizadas em sede de tributação para a segurança social.

Esta contribuição para a Segurança Social foi aprovada no Parlamento no passado mês de Julho, mas ainda não foi regulamentada. De acordo com a proposta então aprovada, a taxa será aplicada quando as empresas ultrapassarem a média de contratos a termo prevista em cada sector. A taxa será progressiva até ao máximo de 2%, ou seja, quanto maior o número de trabalhadores a prazo a empresa tiver acima da média sectorial, maior será a penalização.

Na altura, o governo já falava da possibilidade de regulamentar a lei em 2019 para entrar em vigor em 2020. E confirma-o agora, nas afirmações feitas ao Jornal de Negócios.

“É intenção do Governo apresentar aos parceiros sociais, a curto prazo, o que está a ser preparado relativamente a esta matéria, de modo a concluir a regulamentação a tempo útil e a aferir os indicadores sectoriais de modo às empresas situarem-se no respectivo sector”, referiu fonte oficial do Ministério da Segurança Social, citada pelo Jornal de Negócios.

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

Startups

Outras Notícias

Cultura

Saúde

Sociedade

Tecnologia

Motores

Tecnologia