Cerca de 67% dos 1.052 portugueses inquiridos num estudo de quatro universidades europeias manifestaram-se "muito preocupados" com as consequências da pandemia de covid-19 na saúde, com quase 45% a se manifestarem igualmente quanto à economia, foi hoje divulgado.

De acordo com o estudo que envolveu a Nova SBE (da Universidade Nova de Lisboa), a Universidade de Hamburgo (Alemanha), a Universidade Erasmo de Roterdão (Holanda) e a Universidade Bocconi, de Milão (Itália), 66,7% dos 1.052 portugueses inquiridos estão "muito preocupados" com os efeitos da pandemia em termos de saúde, e 22,4% estão "bastante preocupados".

Relativamente às consequências económicas da pandemia, 44,4% estão "muito preocupados", 34,9% estão "bastante preocupados" e 15,5% "moderadamente preocupados".

No indicador regional relativo ao desemprego, os residentes da Madeira manifestaram o maior grau de "muita preocupação", com 73%, do total, o que compara com 65% deste indicador no Alentejo, 57% nos Açores, 55% no Norte e no Algarve, 52% no Centro e 49% em Lisboa.

Já em termos de grau de instrução, 41% das pessoas inquiridas com elevado grau se mostraram preocupadas com o desemprego, com esse valor a subir para 50% em quem tem um grau médio e 65% para quem tem um grau baixo.

Em termos de aprovação das medidas de contenção decretadas pelo Governo, 59,2% dos portugueses inquiridos no estudo afirmam "aprovar" e 20,2% "aprovar fortemente", ao passo que 19,7% se manifestaram indiferentes na resposta.

Dos 1.052 inquiridos, 68% demonstraram-se favoráveis ao uso de dados de localização móvel para fins de monitorização de pessoas infetadas com o novo coronavírus, com este indicador a ter menor apoio nas faixas etárias abaixo dos 35 anos.

Já medidas como o fecho de fronteiras e a suspensão de ajuntamentos tiveram um apoio de 94% e 91%, respetivamente.

Relativamente ao consumo de informação sobre a pandemia de covid-19, 94% dos inquiridos apontou a televisão como principal meio de obtenção de informação, com 60% dos inquiridos a reconhecer também o uso da internet.

As redes sociais foram a terceira fonte de informação mais mencionada, com 50% dos inquiridos a referi-las, com maior preponderância nas pessoas com menos de 45 e anos e com escolaridade média ou baixa.

Os resultados obtidos dos portugueses inquiridos no estudo assinalam ainda que há maior confiança nas instituições de saúde (hospitais, médicos de família e Organização Mundial de Saúde [OMS]) do que em fontes governamentais, os principais canais de notícias ou a União Europeia.

No entanto, a faixa etária que respondeu ao inquérito acima dos 55 anos tende a confiar mais nas informações vindas do Governo do que os mais jovens, o mesmo acontecendo relativamente a pessoas com maior grau de escolaridade face a um menor.

Em termos de adesão às recomendações da OMS, esta é maior em quem tem maior escolaridade, com 69% dos respondentes com escolaridade alta a afirmarem ter aderido completamente às recomendações de distanciamento físico entre pessoas, diminuindo esse valor para 62% nas pessoas com escolaridade baixa.

O mesmo padrão é notado no evitar de apertar de mãos, abraços ou beijos nos cumprimentos às pessoas, com 87% dos inquiridos portugueses com escolaridade alta a dizer que o implementou, baixando esse número para 82% nos inquiridos com escolaridade baixa.

Também os mais velhos afirmam ter implementado mais do que os mais novos quer o distanciamento físico, quer o abdicar de apertar de mãos, abraços ou beijos nos cumprimentos sociais.

O inquérito foi realizado após três semanas de estado de emergência em Portugal.

Pin It

Angra do Heroísmo

Notícias Regionais

Ilha Terceira

Economia

Startups

Outras Notícias

Mundo

Cultura

Saúde

Sociedade

Motores

Motores