A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje para uma mudança detetada nas características do coronavírus que provoca a covid-19, referindo que as pessoas mais jovens estão cada vez mais na origem de surtos e contágios.

“A pandemia está a mudar. Pessoas na faixa dos 20, 30 e 40 anos estão cada vez mais na raiz da ameaça”, afirmou o diretor da região do Pacífico Ocidental da OMS, Takeshi Kasai.

“Na região da Ásia-Pacífico, a doença é atualmente disseminada por jovens que, às vezes, não sabem que estão infetados”, disse o responsável, destacando que este papel dos jovens, especialmente daqueles que viajam nas férias, também foi detetado na Europa e, sobretudo, em Itália.

Esta semana, perante o aumento dos casos importados, a Itália decidiu exigir um teste ao novo coronavírus aos que entram no país vindos da Grécia, Croácia, Malta e Espanha e determinou o encerramento de discotecas e outros locais noturnos frequentados sobretudo por jovens, além de obrigar ao uso de máscara entre as 18:00 e as 06:00.

Também no sudeste do Pacífico, as medidas de proteção contra o contágio foram aumentadas, como no caso da Coreia do Sul, onde as discotecas, bares de karaoke, cinemas e restaurantes de ‘buffet’ passaram a estar sujeitos a regras de controlo, como distanciamento, medição da temperatura e obrigatoriedade do uso de máscara, sob pena de serem encerrados.

Já na semana passada, o Governo espanhol e as autoridades regionais do país decidiram fechar discotecas, bares e salões de baile, como medida de contenção contra a pandemia.

As autoridades aprovaram também a proibição de fumar ao “ar livre como, por exemplo, em esplanadas” e sempre que não seja possível manter a distância de segurança de dois metros entre as pessoas, medida que já está em vigor em duas das 17 regiões autónomas espanholas.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 774.832 mortos e infetou mais de 21,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (171.679) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 5,4 milhões).

Seguem-se Brasil (109.888 mortos, mais de 3,4 milhões de casos), México (57.774, mais de 531 mil infetados), Índia (52.888, mais de 2,7 milhões infetados) e Reino Unido (41.369 mortos, mais de 319 mil casos).

A Rússia, com 15.836 mortos, é o quarto país do mundo em número de infetados, depois de EUA, Brasil e Índia, com mais de 930 mil casos, seguindo-se a África do Sul, com mais de 589 mil casos e 11.982 mortos.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (41.381 mortos, mais de 322 mil casos), seguindo-se Itália (35.405 mortos, mais de 254 mil casos), França (30.451 mortos, mais de 331 mil casos) e Espanha (28.670 mortos, mais de 364 mil casos).

Portugal contabiliza 1.784 mortos em 54.448 casos de infeção.

Pin It

Angra do Heroísmo

Notícias Regionais

Ilha Terceira

Economia

Startups

Outras Notícias

Mundo

Cultura

Saúde

Sociedade

Motores

Motores