A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu esta sexta-feira um comunicado com indicações para os profissionais de saúde que prestam serviços orais devido à pandemia do coronavírus.

Perante a elevada exposição à Covid-19 por médicos, higienistas, assistentes e demais trabalhadores de serviços médicos de saúde, a Direção-Geral da Saúde informa que não pode haver atendimento presencial sem um prévio contacto remoto com o paciente, via telefone, email ou outro meio.

Segundo o documento divulgado pela DGS, as clínicas deverão disponibilizar máscaras cirúrgicas, caso o utente não tenha uma, e soluções à base de álcool à entrada das clínicas e consultórios.

Deverão ser retiradas das salas de espera as revistas, folhetos, máquinas de café e outros objetos que possam ser manuseados ou tocados por várias pessoas. É também aconselhável a renovação frequente do ar nas salas de espera e a proteção das superfícies mais expostas ao contacto com as mãos, nomeadamente com barreiras plásticas ou papel de alumínio.

É também aconselhável a atualização do plano de contingência. Os profissionais deverão ter a informação necessária para agir de acordo com esse mesmo plano.

Conheça as medidas para pacientes e profissionais de saúde, em vigor a partir da meia-noite de 3 de maio.

Antes das consultas:

É aconselhada uma triagem prévia, por via remota, através do telemóvel, por email ou outro meio, para que o utente seja avaliado.
O utente deve ser questionado sobre a presença de sintomas habituais da Covid-19, como tosse, febre ou dificuldade respiratória registada nos últimos 14 dias e sobre os contactos com casos confirmados ou da doença.

Caso o paciente apresente sintomas sugestivos de coronavírus, a DGS aconselha a contactar a linha SNS24, 808 24 24 24. Nestes casos, "a consulta de Saúde oral não deve ocorrer", pode ler-se nas recomendações da Direção-Geral da Saúde. A consulta deve ser posteriormente adiada ou remarcada. Caso a situação seja urgente e inadiável, a DGS recomenda o agendamento da consulta para o final da manhã ou da tarde, "em horários específicos, por forma a não existir a partilha da sala de espera".

É desaconselhada a presença de um acompanhante dentro do consultório. Caso a sua presença seja necessária (por exemplo no caso de um utente menor de idade), o acompanhante deve utilizar uma máscara cirúrgica e permanecer sentado a mais de 2 metros de distância.

O paciente deve evitar tocar nas superfícies quando tal não é necessário. Os pagamentos deverão ser, de preferência, através de meios que evitem o contacto. Deve ser dada prioridade aos pagamentos eletrónicos, por exemplo.

Os profissionais de saúde são aconselhados a retirar adereços como anéis, pulseiras, colares, brincos no momento do atendimento. No momento em que entra no consultório, o clínico e o assistente dentário devem estar previamente equipados com todo o material de proteção.

Durante a consulta:
Durante a sua consulta deve garantir que não tem os seus objetos de uso pessoal expostos, nomeadamente o telemóvel e a carteira.
Devem ser evitada a utilização de procedimentos que resultem na formação de aerossóis devido às gotículas libertadas pelos mesmos.

Após a consulta
As superfícies e o ambiente de trabalho deve ser imediatamente desinfetado após a consulta. Os profissionais de saúde oral devem "seguir escrupulosamente todos os procedimentos universais de esterilização e desinfeção". Os equipamentos de proteção individual devem ser descartados em contentores de lixo contaminado.

Equipamento de Proteção Individual, o que usar?

Os funcionários da receção devem estar equipados com máscara, óculos de proteção ou viseira, uniforme e calçado utilizado exclusivamente para a função.

Relativamente aos profissionais de saúde oral, estes devem utilizar equipamentos de proteção individual "de acordo com o risco dos procedimentos a realizar", informa a DGS.

No caso dos procedimentos de alto risco, os mesmos profissionais devem utilizar bata, máscara FFP2 ou FFP3, óculos ou viseira, luvas, touca e calçado clínico.

Para os procedimentos de alto risco, a DGS diz que "pode ainda ser considerada a utilização de duplo par de luvas (cano longo), cógula (opcional) e fato de proteção completo (opcional à bata)".

Limpeza e desinfeção das áreas e materiais

A limpeza e desinfeção de todas as superfícies fora do gabinete de consulta deve ser realizada com intervalos entre 1-2 horas. Já nos gabinetes, a limpeza deve ser efetuada após cada consulta.

Os óculos e viseiras devem ser pulverizados com álcool e colocados em tabuleiros descartáveis.

A orientação emitida pela Direção-Geral da Saúde visa, sobretudo, evitar a transmissão da Covid-19 "e poderá ser revista a qualquer momento, em função da evolução e situação epidemiológica".

Pin It

Angra do Heroísmo

Notícias Regionais

Ilha Terceira

Economia

Startups

Outras Notícias

Mundo

Cultura

Saúde

Sociedade

Motores

Tecnologia

Música

Desporto

Podcast