Infarmed acredita que produtos têm origem em vendas a partir da Internet

Segundo o Infarmed, estes produtos, em cápsulas, contêm substâncias destinadas ao tratamento da hipertensão, obesidade e ansiedade.

"Atendendo a que não está garantida a qualidade, segurança e eficácia destes produtos, a sua utilização é proibida em Portugal", afirma a Autoridade Nacional do Medicamento num comunicado publicado na sua página na internet.

O Infarmed alerta as entidades que dispõem destes produtos para o facto de não os poderem "vender, dispensar ou administrar", aconselhando-as a comunicar de imediato com a autoridade do medicamento.

"Os utentes que disponham destes produtos não os devem utilizar, devendo entregar as embalagens em causa na farmácia para posterior destruição, através da Valormed", adianta o Infarmed.

A autoridade do medicamento refere que estes produtos foram detectados na alfândega, no âmbito do protocolo de colaboração entre o Infarmed e a Autoridade Tributária e Aduaneira, destinado ao combate à falsificação de medicamentos.

De acordo com o Infarmed, os produtos têm, provavelmente, origem em vendas através da Internet, não tendo sido detectados no circuito legal de venda de medicamentos, como por exemplo nas farmácias.

Após análise no laboratório do Infarmed, verificou que o PowerFite contém as substâncias activas furosemida, hidroclorotiazida, fluoxetina e bupropiom, as quais têm efeitos diuréticos e antidepressivos.

Contém ainda sibutramina, substância destinada ao emagrecimento e que foi retirada do mercado europeu, por constituir um risco para a saúde.

O Infarmed também verificou que o Diet Slim - Reeducador alimentar contém as substâncias activas furosemida, fluoxetina, e bupropiom, as quais têm efeitos diuréticos e antidepressivos.

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

Startups

Outras Notícias

Cultura

Saúde

Sociedade

Tecnologia

Motores

Tecnologia