O Secretário Regional da Agricultura e Florestas destacou o contributo qualificador e de notabilização que a Casa Agrícola Brum e o Museu do Vinho, na ilha Terceira, têm dado ao longo de várias gerações para dinamizar a vitivinicultura na região demarcada dos Biscoitos, em particular, e nos Açores, em geral.

“Estamos perante um projeto familiar em torno da vinha e do vinho que é digno de registo pela consistência e pela perseverança, que deve estimular outros a acreditarem e apostarem na vitivinicultura”, afirmou João Ponte, acrescentando que este setor nos Açores tem potencial para continuar a desenvolver-se.

O governante falava à margem da visita a uma casa produtora de vinho que está na mesma família há cinco gerações, onde também está localizado o Museu do Vinho dos Biscoitos, espaço etnográfico dedicado à cultura da vinha e do vinho nos Açores muito visitado por turistas.

Para o Secretário Regional, atualmente os grandes desafios que se colocam ao setor na ilha Terceira passam por mobilizar mais produtores para reconverter as vinhas, recuperar e manter a paisagem, bem como aumentar as áreas de produção de um vinho de excelente qualidade, como é o caso do verdelho dos Biscoitos.

“É preciso que cada vez mais produtores acreditem e apostem na recuperação das áreas de produção abandonadas para se produzir mais e melhor vinho”, frisou João Ponte, acrescentando que existem apoios que devem ser aproveitados, como é o caso do VITIS.

João Ponte referiu que as candidaturas ao VITIS em outubro vão privilegiar áreas como os Biscoitos, na ilha Terceira, a Graciosa, São Miguel, Santa Maria ou São Jorge, de modo a que, se houver excesso de candidaturas que ultrapassem a dotação orçamental, os projetos dessas ilhas sejam sempre prioritários na aprovação, porque são locais onde existe um grande potencial ao nível da produção de uva que importa desenvolver.

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

Startups

Outras Notícias

Cultura

Saúde

Sociedade

Tecnologia

Motores

Tecnologia