Em 2018, a ilha Terceira produziu 34% de energia geotérmica, enquanto a ilha de São Miguel atingiu os 51% e a ilha das Flores 46%.

Com a aquisição do sistema de armazenamento de energia por baterias e com o aumento da capacidade da central geotérmica de 3,5 para 10 megawatts, a penetração de renováveis deverá atingir os 67%, em 2024, sendo a maior parte (42%) proveniente da energia geotérmica, 16% da energia eólica, 7% da incineração de resíduos, 1% da energia hídrica e 1% da energia fotovoltaica.

“Conseguiremos com este investimento diminuir o grau de indisponibilidade do sistema, aumentar a sua estabilidade e claro maximizar a integração de energia renovável e endógena no sistema eletroprodutor desta ilha”, salientou Marta Guerreiro.

A EDA deverá lançar na próxima semana um concurso público internacional para a aquisição do sistema de armazenamento por baterias, num investimento que rondará os 14 milhões de euros, com recurso a fundos comunitários.

A obra terá um prazo de execução de dois anos e as baterias terão 15 megawatts de capacidade, mais do que o maior grupo térmico atualmente em funcionamento na ilha Terceira, podendo injetar 10,5 megawatts por hora.

“Um grupo térmico para ser colocado na rede leva três quartos de hora. A bateria tem energia suficiente para aguentar a saída de um grupo térmico durante três quartos de hora e esta entrada da bateria é instantânea”, explicou o presidente do conselho de administração da EDA, Duarte Ponte.

Desta forma, a EDA passará a utilizar apenas um grupo térmico mais pequeno e energia renovável, durante a noite, na ilha Terceira.

As baterias serão utilizadas para equilibrar as variações de frequência e de tensão, sendo ainda ativadas em caso de falha do grupo térmico.

Questionado sobre a hipótese de criação de uma central hídrica reversível para armazenamento de energia, o presidente do conselho de administração da EDA disse que as baterias “têm um processo de eficiência energética superior” e têm a vantagem de substituir um grupo térmico.

“Perde-se no máximo 15% de energia. No caso da hídrica reversível as perdas são maiores, na ordem dos 30%”, apontou.

A entrada em funcionamento do sistema de armazenamento vai permitir um aumento de penetração de energias renováveis de 34 para 42%, segundo Duarte Ponte, mas até 2024, “se tudo correr bem”, a EDA Renováveis pretende aumentar a capacidade da Central Geotérmica do Pico Alto de 3,5 para 10 megawatts.

No próximo ano, a empresa deverá arrancar com trabalhos de perfuração, estando prevista a abertura de mais três furos na ilha Terceira.

O investimento global no aumento de potência das centrais geotérmicas da Terceira e de São Miguel deverá rondar os 70 milhões de euros.

 

Pin It

Angra do Heroísmo

Notícias Regionais

Ilha Terceira

Economia

Startups

Outras Notícias

Mundo

Cultura

Saúde

Sociedade

Motores

Tecnologia

Música

Desporto

Podcast